sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Natal: aquele momento em que volto a ser criança


Não tenho muitas fotografias do meu Natal em criança, mas tenho uma coisa bem melhor: memórias!

Memórias de ir dormir na noite de 24 em pulgas e super ansiosa que o Pai Natal não se esquecesse da minha morada para deixar aquela Barbie que eu tanto queria; 

Memórias de ir dar presentes às minhas vizinhas nos dias antes e de receber imensos chocolates que depois partilhava com o meu irmão. Sim, porque naquela altura o guloso lá de casa era ele. Hoje, somos os dois [ahahaha];

Memórias de acordar dia 25 e ter a casa dos Barriguitas em cima de uma cadeira branca, mesmo ao lado da minha cama... uau, nesse ano, o Pai Natal esmerou-se!;

Memórias de ir apanhar musgo para fazer o presépio e de ajudar a minha mãe a pôr a mesa e a preparar a ceia de Natal;

Memórias de 'lutar' com o meu irmão para raspar o tacho do arroz doce, se bem que ele ganhava sempre, nem que fosse pelo facto de ser mais velho 10 anos ou por ter uma força e altura que eu nunca irei ter;

Memórias de sorrir. Sorrir muito. Tanto como espero que os meus filhos façam sempre, seja no Natal ou não. 

E são essas as memórias que realmente contam... aquelas que ficam em nós e que não se perdem com o tempo.

Feliz Natal com muito amor e algumas prendinhas!

Resultado Passatempo Odisseias


Temos um presente de Natal antecipado irresistível: 
dois packs 'Spa a Dois' que vão direitinhos para: 

     Liliana Jesus Lourenço

 
        Isabel Rodrigues

Muitos Parabéns, Boas Festas e boas Odisseias em 2017!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Será a permissividade assim tão boa?



Depois de várias gerações de progenitores autoritários e quase ditadores, hoje começamos a encontrar a tendência oposta, a dos pais permissivos. Mas será a permissividade assim tão boa?

Este é sem dúvida um daqueles temas polémicos e sobre o qual há tantas opiniões como religiosos em dia de missa, mas também é daqueles temas sobre os quais poucos pais pensam mesmo a sério.

Quantas vezes não sentimos que fechamos os olhos a uma ou outra 'falha' dos nossos filhos só porque não temos tempo naquele momento para lhe explicar que agiu mal? E quantas vezes não lhes damos o que nos pedem insistentemente só para evitar uma birra, haja ou não público, seja em casa ou no chão do supermercado? 

O tempo, ou a falta dele, é um dos maiores inimigo dos pais de hoje, ao qual se junta a pressão a que estão sujeitos no trabalho e fora dele: sempre a terem de atingir objetivos, sempre a terem de lutar para não serem despedidos no dia seguinte e sempre a terem de mostrar à vizinha que o seu filho é exemplar, seja lá isso o que for...

E no meio de tanta correria, de tanto em que pensar, de tanto que há para trabalhar e suar, acabamos por achar que isto de ser pai permissivo até não é uma 'moda' nada má. E dá tanto jeito que assim seja. Podemos sempre dizer que estamos a dar espaço ao nosso filho para perceber o que está certo e o que está errado; que mais tarde lhe explicamos que foi falta de educação não cumprimentar o tio ou o primo, mesmo que depois nos esqueçamos; e até podemos fechar os olhos à sopa que não quis jantar e ao chocolate que comeu de seguida só para que parasse de 'esfregar' o chão da casa todo...

Mas o grande problema do excesso de pais permissivos não se vê hoje. Vê-se amanhã, quando esta geração crescer e não souber lidar com o não e muito menos com a frustração de ser rejeitado por um namorado, despedido do emprego ou perder um ente querido num acidente. E apesar de serem alegres e bem-dispostas à primeira vista, estas crianças podem facilmente tornar-se em adultos inseguros, com baixa auto-estima e com dificuldade em assumir responsabilidades...

Com isto não quero dizer que sou a favor de pais autoritários e ditadores. Muito pelo contrário. Para mim não há nada melhor do que o diálogo para encontrar um consenso (ou não), sobretudo entre pais e filhos. Não há nada pior do que um pai a olhar para o ecrã de um smartphone enquanto o filho lhe está a fazer uma pergunta ou a tentar esclarecer uma dúvida; não há nada pior do que um jantar em que todos os elementos da família focam o seu olhar no vazio de uma qualquer conversa online, de uma notícia ou até mesmo de um scroll pelo Facebook; não há nada pior para uma relação do que o silêncio e a indiferença. 

As relações precisam de calor, de proximidade e de olhares. E os filhos precisam que sejamos pessoas presentes nas suas vidas e decisões. Estimular a criatividade através da invenção de histórias ou do fazer desenhos ao acaso com materiais pouco convencionais; o ouvir sempre a sua opinião, mesmo que não seja a nossa, de forma a perceber o seu raciocínio; e o ser consistente com as decisões que adota para evitar confundi-los são algumas estratégias por onde se pode começar. Ah e deixar o telemóvel na mesa do hall de entrada também pode ajudar...

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Ter os filhos doentes é como tirarem-nos o chão e ainda colocarem-nos sob tortura do sono


Com a princesa com uma pneumonia e o baby Pedro super obstruído e com uma otite em fase inicial, a minha agenda do telemóvel não podia estar mais preenchida entre antibióticos, ben-u-rons e brufens, sopas e biberãos, a juntar a organização ou desorganização da casa e das refeições...

Agora uma noite normal cá em casa inclui a Leonor a levantar-se e a vir para a nossa cama porque não quer dormir sozinha; o Pedro a vomitar em jato, num raio mínimo de 2 metros, após beber o leite e tomar o antibiótico; tosse irritativa, daquela que parece k o pulmão vai saltar, de um ou do outro de 5 em 5 minutos; e muitos estratagemas da mãe para conseguir k tomem os dois os respectivos antibióticos e o Ben-u-Ron ou brufen, no caso da Leonor. E para tornar a noite mais animada nada melhor do k acrescentar um elemento essencial: uma mãe já com uma direta em cima... e com 9 longos meses muito mal dormidos.

Mas nada disso realmente interessa quando os vemos doentinhos e agarrados a nós a precisar de mimo e colo. O que realmente interessa é que eles recuperem e bem rápido... sim, porque na verdade não há nada melhor do que ver o Pedro a roubar os brinquedos da Leonor ou a puxar-lhe os cabelos, ou a princesa a fazer macacadas para o fazer rir... 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Começar a dieta no Natal...?! E porque não?



Tenho recebido várias mensagens e comentários de surpresa por ter começado a fazer dieta na altura «mais difícil do ano!!!» (dizem). «Porque não começas dia 1 de janeiro... ou dia 2?», questionam de seguida.

A minha resposta não podia ser mais simples: «E porquê não?»

Fazer dieta é quase como deixar de fumar. Sabemos que vamos ficar mais saudáveis, mas não nos apetece nada começar. Sabemos que é inevitável escolher uma data, mas tentamos sempre que seja o mais tarde possível. Sabemos que não podemos inventar mais desculpas, mas estamos sempre a dizer: «hoje não porque tive um dia difícil»; «amanhã nem pensar porque vou fazer um exame...»; «esta semana era assim perfeito, só que não dá porque é quase Natal... e depois vem o Ano Novo e fica ainda mais complicado». 

E com este role de de desculpas nunca começamos realmente nada. Andamos a empurrar com a barriga, que diga-se de passagem só tem tendência a aumentar... 

Por tudo isto, estou de dieta hoje, amanhã e espero que durante mais uns bons dias, semanas e quiçá meses, sim, porque o Natal é um dia, aliás, uma noite e ai posso esticar-me, mas não preciso de o fazer durante as próximas duas semanas, pois não?

Resultado passatempo Cinderela no Gelo



E porque o Natal deve ser celebrado em família, o nosso mais recente passatempo é precisamente para festejar com os seus príncipes numa tarde de magia protagonizada por grandes nomes da música e da representação portugueses como Liliana Santos, Nuno Guerreiro e Rita Ribeiro.

Parabéns à Mariana Espada que vai poder ir assistir no próximo domingo, dia 18, à sessão das 15h da Cinderela no Gelo, no Alegro Alfragide.

Boas Festas e bom espectáculo!

Passatempo Odisseias: oferta de 2 packs 'Spa a Dois'


E depois de uma série de passatempos mais voltados para os nossos príncipes, chegou o momento de também pensarmos um bocadinho em nós e o último giveaway antes do Natal será perfeito para usar depois do stress desta quadra festiva: 2 packs de Spa a Dois da Odisseias!

Tentador, não? Eu ia já e sem pensar duas vezes...

Para participar, a dinâmica é a habitual. Basta partilhar o passatempo numa rede social à escolha, colocar um gosto na página de Facebook da Odisseias e do Marcas Avant-Garde e preencher o formulário abaixo com os seus dados até dia 22 de dezembro. 

Boa sorte e toca a participar!


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

São as noites que me preocupam...


Duas da manhã. 

O Pedro acorda. 

Eu levanto-me em piloto automático com ele ao colo precipito-me para a cozinha. 

Ponho a água a aquecer e vejo uns cereais de chocolate na bancada, mesmo ao lado do leite dele. 

Sem pensar, como... 4 ou 5... mais uns na mão livre para levar e vou para a sala dar-lhe leite.... 

estou quase a terminar e de repente parecer que tomo consciência da realidade: ' merda, comecei ontem a fazer dieta... e estava a correr bem!'

Sim, nisto das dietas são as noites que me assustam...

Regra para as próximas noites: não deixar nada perigoso na bancada da cozinham, nem na sala e muito menos na mesa de cabeceira. 

Trabalho para hoje: acordar mais cedo e fazer uma caminhada de 1 hora.

O que aprendi? Que noites ou deslizes destes vão sempre acontecer. Mas não nos podem demover. Há que usar a 'teoria da compensação'. Admitir o erro e compensá-lo com exercício extra e não desanimar. Se não tiverem tempo para a caminhada, podem sempre fazer uns abdominais antes de sair de casa ou estacionar o carro mais longe e subir escadas em vez de usar o elevador.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Este Natal não vou cozinhar...


Já decidiram onde vão celebrar a Consoada e o dia de Natal? 

Nós desde que os miúdos nasceram optamos por comemorar a data em nossa casa. Por um lado para evitar que os babies apanhem frio e andem de um lado para o outro; por outro para simplificar a gestão das prendas porque demasiadas vezes os embrulhos são enormes, o que obrigaria a levá-los em várias deslocações (excesso de consumismo na minha opinião... mas adiante).

O único problema de ser cá em casa acaba por ser a logística da coisa. Sim, porque apesar de contar com a ajuda do resto da família que, normalmente, leva os pratos principais, leia-se bacalhau e peru ou cabrito, e até umas entradas e sobremesas, a verdade é que no dia anterior acabo sempre por passar uma eternidade na cozinha a tratar dos doces, a fazer um paté ou a cortar queijos. E a isto juntam-se as compras de última hora: aqueles guardanapos super giros de Natal, aquela prenda para um primo afastado que me esqueci completamente, aqueles aperitivos que todos gostam e até as bebidas que entretanto percebo que não há em quantidade suficiente. 

Este ano recuso-me a entrar na cozinha para fazer bolos. Não que não goste, que saiam mal ou que me esteja a armar em 'dondoca', mas cozinhar acaba por me roubar o pouco tempo que tenho para estar com os meus príncipes e ainda aqueles minutos essenciais para os últimos preparativos. 

E quase como resposta às minhas preces, o Continente acabou de lançar uma nova gama de pastelaria de Natal com oferta para todos os gostos e tradições. Desde os sabores mais habituais do Bolo Rei, Bolo Rainha, Fatias Douradas e Sonhos até aos mais arrojados, como é caso da Coroa de Alfarroba e Maçã, o Caracol de Frutos Vermelhos e o Bolo Rei de Castanha (estou curiosa para experimentar este último).

E a melhor parte: os preços vão de €1,50 até aos €9,99.

Cá por casa, além do tradicional Bolo Rei e das obrigatórias fatias douradas e sonhos, vamos incluir pela primeira vez o Bolo Rei de Castanha, o Tronco de Natal, mas de doce de ovos, as azevias de batata doce e 'tradicional' Sericaia que não podia faltar em casa de alentejanos. 

Dear Santa Claus...






Sobretudo da Ferrache | €169,50

Relógio Ice-Watch City Milanese |  €139

Clutch Allegra Gold da Furla | €85

Ténis Keds | €79,90

Smartphone Ufeel Prime da Wiko | €269,00

Schweppes Gift Box Gin & Tonic Lovers | €30

Batom da MAC | €23

Pack da Truvivity:
Beauty Powder Drink | €48,60
Comprimidos | €84,51

O medo de dizer que estou a fazer dieta



Já todos sabem que quero fazer dieta... aliás, expliquei-me mal. Vou recomeçar: Já todos sabem que quero perder peso, porque fazer dieta rigorosa não me apetece muito e imagino que também não apeteça a muitos... mas cheguei à conclusão que só entrando numa dieta equilibrada e fazendo exercício é que irei conseguir perder os quilinhos extra que ficaram das gravidezes... e até aqueles que vieram depois, é que isto de acordar quatro ou cinco vezes durante a noite para alimentar o baby Pedro envolve muitos assaltos à despensa e ao frigorífico e nem sempre é para ir buscar uma peça de fruta ou um iogurte. Na maioria das vezes, são as bolachas, essas malandras escondidas dentro de pacotinhos bonitos, que me conquistam... e há noites piores em que não resisto às batatas fritas e aos chocolates... 

Quando decidi que queria perder peso, pensei que podia partilhar essa boa nova com vocês, mas logo a seguir arrependi-me e achei que isso ia complicar ainda mais a minha decisão, pois com 'público' iria ser um desafio mais exigente... E foi aí que percebi que se calhar ainda não estava motivada o suficiente e isso era o que me atormentava, era isso que me deixava cheia de medo de dizer aqui no blog que vou entrar em dieta e ir até para um ginásio. 

E se de repente tivesse muitas tentações alimentares e não lhes conseguisse resistir? 

E se de manhã preferisse ficar na cama em vez de ir para a piscina dar umas braçadas ou para a aula de yoga fazer uns alongamentos?

E foi ai que percebi que estava totalmente no caminho errado, no caminho do esconder-me e do fugir do inevitável que é perder peso e ter uma vida mais saudável, por mim, mas sobretudo pelos meus príncipes que precisam de uma mãe que consiga correr com eles sem sentir dor de burro nos primeiros metros, andar de bicicleta sem desistir na primeira subida e até pegá-los ao colo sem sentir que estou a ficar sem forças a meio...

Are you with me?

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

#Passatempo: Quem quer ir ver A Cinderela no Gelo?


Ainda não têm planos para o próximo domingo? O Marcas Avant-Garde, em parceria com o Alegro de Alfragide, vai oferecer um pack familiar (2 bilhetes de adulto + 2 de criança) para assistir ao espetáculo A Cinderela no Gelo, sessão das 15h de dia 18 de dezembro. 

Para participar, basta partilhar o passatempo numa rede social, colocar gosto na página de Facebook do Marcas Avant-Garde, do Alegro Alfragide e da AM Live. Depois é só preencher o formulário abaixo até às 13h de dia 16 de dezembro. 

O sorteio será aleatório, via random, e os bilhetes serão levantados na bilheteira, no dia do espetáculo. 

Perfeito para viver o espírito do Natal em família, não?


domingo, 11 de dezembro de 2016

#TheLook(s): Paris, oh Paris...


CLUTCH PARFOIS | VESTIDO LAREDOUTE 


Quando soube que o programa do Spot des E-Fluent, em Paris, incluía um jantar de gala no rio Sena a bordo de um 'bateau mouche' entrei em modo: "tenho de encontrar urgentemente um outfit que me sirva (e de preferência ser parecer uma saca de batatas)"

Foi tudo menos fácil, mas felizmente contei com a ajuda e o aconselhamento do grupo de mamãs bloggers que me acompanharam e depois de muito veste e despe e de algumas dezenas de lojas e sites visitados, consegui arranjar três looks que acho que até disfarçam os meus quilinhos extra.

Este primeiro look encontrei-o na LaRedoute. É um vestido de veludo azul que disfarça a largura de ombros por ser de meia manga e que me tira uns quilinhos por ser uma cor escura. Além disso, tem a vantagem de ser super confortável, que é uma das características base do veludo, e é versátil, dando para usar em diferentes ocasiões.






Mas ainda assim faltava o look da gala e era esse que me estava a deixar mais nervosa. Ainda experimentei uns quantos macacões que até ficavam mais ou menos, mas parecia sempre que faltava qualquer coisa e esse qualquer coisa surgiu quando vesti um 'long dress' preto com apontamentos dourados que a Ana Lemos gentilmente me emprestou.

Além de ser lindo, acho que disfarçava a barriga por causa do corte e as mangas mais largas davam conforto, sobretudo em noites com graus negativos como a do passeio de barco pelo rio Sena. Aproveitei para conjugar com um casaco de pelo branco, ao estilo Urso Polar (ahahaha).






No entanto, e apesar de só terem sido duas noites, no meio de tantas compras, acabei por conseguir arranjar um look extra. Apesar de parecer um macacão preto super elegante com uns apontamentos metálicos no peito, a verdade é que é um cojunto de top e calças, o que permite conjugar com outras peças e criando mais looks. Aqui a sorte foi mesmo ter entrado na Sfera, loja onde confesso que nunca tinha entrado, mas que me surpreendeu por ter algumas silhuetas mais largas que permitem que uma mulher que está um pouco acima do 'L' da maior das lojas da moda consiga encontrar alternativas. 



FIO SWAROVSKI | TOP SFERA


ANEL EM PRATA DA MAGNÓLIA JEWELLERY

sábado, 10 de dezembro de 2016

Resultado passatempo Mustela



Antes de anunciar os três vencedores do passatempo em parceria com a Mustela, queria agradecer o vosso feedback (super positivo) e as mais de 400 participações e pedir desculpa pelo atraso na divulgação dos resultados.

Aqui ficam as três sortudas que vão ganhar um coffret com um ursinho azul ou rosa e um cheiroso Musti:

     Estela Lourenço;

     Gisela Reis 

     e Nina Simplicio.

Parabéns e Boas Festas!!!

O pânico de voltar a engravidar


Depois de ter tido a sorte de ter dois babies lindos e cheios de saúde, confesso que neste momento um dos meus maiores receios é precisamente o de voltar a engravidar por 'acidente'...

Tantas vezes me lembro da obstetra me perguntar no dia em que o Pedro nasceu se queria fazer laqueação de trompas na cesariana e há momentos em que penso que «se calhar tinha sido melhor», pelo menos não vivia na incerteza constante de que um dia pode acontecer. 

Não há pílulas infalíveis e muito menos seres humanos 100% certos. Logo, a margem para erro existe. Um antibiótico que corta o efeito dos milagrosos comprimidos, uma noite em que estamos tão cansadas que acabamos por ir dormir sem a tomar ou um simples atraso...

Óbvio que se acontecesse iria ficar feliz e não optava por abortar, até porque a princesa Leonor não se cala com o «quero uma mana» e até já tem nome: «Joana». Mas o que é certo é que a saúde e a idade - as minhas, claro - já não as mesmas e com dois babies tão pequeninos - 3 anos e 9 meses - e a precisarem da tanta atenção, não é fácil ter coragem para embarcar na aventura de um terceiro filho. Isto para não falar das condições - ou falta delas - que o Estado oferece... e não falo apenas da parte financeira, dos abonos baixos ou inexistentes, falo sobretudo da dificuldade que é conseguir estar presente nas suas vidas... 

Quantos trabalhos é que deixam as mães ter trabalhos flexíveis? E quantos há que nem sequer querem que as mães usufruam da redução de horário durante o primeiro ano? E até aqueles em que sugerem que a mãe se despeça se não consegue trabalhar ao fim de semana porque não tem colégio para os filhos nesses dias? 

E isto já para não falar dos preços exorbitantes dos colégios privados, da falta de vagas nos públicos, sobretudo até aos três anos, e dos cortes no vencimento que se sofre se se usar esse direito que se chama assistência à família...

E ainda questionam a baixa taxa de natalidade?! Não percebo porquê... ou percebo bem demais.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

#SwatchDocinho: ideias giras e ainda por cima solidárias


Já viram o novo modelo da Swatch? Além de ser super giro para os nossos amores de palmo e meio, ainda tem uma vertente solidária que promete ajudar bebés e crianças em situação de risco que são acolhidas pela Ajuda de Berço. 

Uma parte resultante do preço do novo relógio que custa €50 irá ser aplicado para adquirir leite, papas, vacinas e fraldas com o objetivo de ajudar estas crianças a crescer num ambiente de amor e o mais familiar possível. 

Impossível não partilhar e até colocar na wishlist dos mais pequenos, sobretudo nesta fase de Natal, em que devemos ser mais solidários. 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Resultado passatempo LEGO


O passatempo LEGO já terminou e há três sortudos no meio de centenas de participantes que vão ganhar o set LEGO Friends 'O Supermercado de Heartlake' e um bilhete de adulto e dois de criança para um dia à escolha no maior evento de Pop Culture do País, a Comic-con. 

Parabéns,

     Ricardo Rodrigues;

     Célia do Carmo


     e Maria Isabel Magalhães.


Estejam atentos ao e-mail. Vou contactar-vos de seguida para explicar a dinâmica da entrega dos bilhetes. 

E-Fluent5: novidades que mudam a vida de qualquer pai ou mãe


O post de hoje é dedicado às novidades do mundo da puericultura que conheci no evento internacional Le Spot des E-Fluent, em Paris. Mas fiquem descansados que aqui não há lugar para secas ou posts 'encomendados'. Só mesmo coisas giras e úteis como os lápis da Munchkin que dão para pintar a banheira e os azulejos e depois limpar (e voltar a pintar); os divertidos e coloridos vernizes da nailmatic que saem só com água; as chuchas personalizáveis da Luc et Léa; as escovas de dentes ergonómicas da Elgydium para os nossos bebés logo a partir dos três meses; aquecedores da Dyson que filtram o ar; e até uma espreguiçadeira da BabyBjörn em versão XXL para as mamãs e para os papás.



Estes 'lápis' de colorir da Munchkin foram concebidos para tornar a hora do banho ainda mais animada e é sucesso garantido, sobretudo quando eles andam naquela fase em que não acham tanta piada ao banho. Indicados para maiores de três anos, estes lápis dão para pintar banheiras e azulejos e saem simplesmente com um pano húmido. A minha princesa já é 'cliente' da marca e acaba por ser ela própria a querer limpar os desenhos, só espero que com o tempo não perca este gosto pela 'limpeza', mas também pelo desenho. Não há melhor forma de estimular a criatividade dos mais pequenos. 


E para quem tem meninas, aqui está outra perdição. Eu confesso que este foi dos presentes que a Leonor mais adorou. Na noite em que cheguei de Paris ainda tive de andar a fazer manicure e pedicure cor de rosa ahahah. Além de terem cores muito giras, não têm componentes agressivos para as suas sensíveis unhas e saem como os lápis anteriores, simplesmente com água. A nailmatic é uma marca francesa com experiência em vernizes para as mamãs e para as princesas que distribui para todo o mundo, por isso, não há desculpas se não os encontrar na loja da rua. 


Já sei que não é assim tão novidade, mas não deixam de ser giras, coloridas e ainda por cima personalizáveis. A coleção de chuchas da Luc et Léa dos Laboratoires Gilbert são de silicone, previnem as irritações da pele devido à sua curvatura para fora que evita que a saliva se acumule entre a chucha e a pele e ainda têm cores apelativas e podemos escrever nelas quase tudo o que quisermos. 'J'<3 ma Maman' é das minhas preferidas... porque será?



Apesar dos nossos babies não terem dentes logo aos três meses, salvo raras exceções, a verdade é que o hábito de higiene das gengivas e da língua devem começar logo a partir dessa idade de forma a eliminar restos de leite e até prevenir cólicas. E estas escovas da Elgydium para babies são tão giras. As cerdas são super suaves e nada agressivas e as cores são o motivo pelo qual eles próprios ficam com vontade de escovar os dentes sozinhos... vá, pelo menos de morderem a escova toda. Ahahaha o baby Pedro foi a primeira coisa que fez quando lha dei. Além desta gama, é impossível não falar das pastas dentífricas da marca com cores, sabores e cheiros que tornam o momento da escovagem de dentes mais apelativa. A Leonor é fã da 'Bubble'. 


Esta espécie de gadget é perfeita para todos, quer se tenha filhos ou não. Além de aquecer ou arrefecer a sua sala ou quarto e de dar para mudar o foco e a difusão de calor ou frio, este produto da dyson ainda filtra as impurezas do ar, o que é ótimo para os mais pequenos, mas também para quem sofre de alergias ou de outras patologias respiratórias. 


E para terminar este post em grande ou pelo menos em estilo zen/relax, aqui fica uma das invenções mais engraçadas do Spot des E-Fluent, na minha modesta opinião, claro. A espreguiçadeira XXL da BabyBjörn para mamãs e papás. Sim, tive de a experimentar, era difícil não o fazer, sobretudo porque sempre que vimos os nossos príncipes a dormirem ou a brincarem nela pensamos: «deve ser mesmo confortável». E é. Ergonómica, flexível e relaxante. Penso que estes são os três melhores adjetivos para a descrever. Fica só uma 'crítica': acho que o pormenor de poder 'prender' os papás é uma adaptação demasiado literal da coisa, sendo que seria mais interessante ter, por exemplo, uma faixa para prender o bebé. Quantos de nós já não estivemos a dar leite ou a amamentar os nossos príncipes e nos apeteceu adormecer com eles encostados a nós para evitar o bolsar ou simplesmente para estarmos mais tranquilos e sem medo que ele nos caia do colo...

domingo, 4 de dezembro de 2016

Passatempo: 3 kits da LEGO® e bilhetes para a Comic-con


Lançar este passatempo não me podia deixar mais feliz. Além de ser de uma marca que adoro (eu e o resto de Portugal), ainda o faço num momento tão especial como o Natal e com um bónus: três bilhetes para o maior evento de Pop Culture do País, o Comic-con

Pela primeira vez, o Marcas Avant-Garde tem uma parceria com a LEGO® e vai oferecer três kits constituídos pelo set LEGO Friends 'O Supermercado de Heartlake' + 1 bilhete de adulto e 2 de criança para um dia à escolha da Comic-con que se realiza entre 8 e 11 de dezembro na Exponor, em Matosinhos. 

E na visita à Comic-con aproveite para visitar o stand da LEGO que este ano está mais interativo, com imensas atividades e jogos e ainda as suas minifigures preferidas da Marvel e da DC.

Para participar basta partilhar este passatempo numa rede social à escolha, colocar um gosto na página de Facebook do Marcas Avant-Garde e da LEGO e preencher o formulário abaixo até às 13h da próxima quarta-feira, dia 7 de dezembro. Boa sorte!


sábado, 3 de dezembro de 2016

Quando eles se comportam de forma mais infantil que os filhos...


Não digo que sejam todos, mas um número bastante elevado de pais comportam-se tantas, mas tantas vezes pior e de forma mais infantil que os próprios filhos que quase parece uma tendência...

Quantas vezes não ouvimos amigas a desabafarem que têm de tomar conta de duas crianças em vez de uma, ou que o marido joga mais consola que os miúdos lá de casa, ou mesmo que tem atitudes correspondentes a uma idade mental de 10?

Um estudo divulgado nos EUA vem mesmo comprovar esta tendência, ou pelo menos a perceção que as mulheres têm do comportamento dos seus conjugues...

De acordo com um estudo realizado pelo jornal Today junto de sete mil mamãs, os maridos dão até 10 vezes mais trabalho do que os filhos, sendo mesmo a principal causa de stress para 46% destas. E adivinhem qual o tipo de situações que as tiram do sério com mais frequência? Sim, precisamente quando os papás lá de casa agem como crianças... 

A expressão 'grow up' assenta que nem uma luva a este post, não?

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Qual o melhor nome para um post sobre Paris?


E qual a foto preferida? 

E que adjetivo usar?

Sinceramente, pensei muito sobre o assunto e até encontrei respostas (muitas), mas todas me pareciam pouco para uma cidade que é 'demasiado'. 

Sim, 'demasiado' grande e monumental para se visitar em tão poucos dias;

'Demasiado' espetacular para ser possível ilustrá-la numa só imagem;

'Demasiado' especial, sobretudo com as decorações de Natal, para se descrever apenas com um adjetivo...

Por isso, vou fazê-lo de uma forma menos convencional e vou falar-vos de tudo e de nada.

Se recomendo uma visita a Paris? É indiscutível que sim. Mas se o tempo for pouco, como foi o meu caso, não sugiro propriamente um roteiro. O ideal é mesmo deixarem-se levar pela cidade. 


Crédito: Joana Paixão Obras

Torre Eiffel, a Pirâmide do Louvre, o rio Sena, Montmarte e o Moulin Rouge são obrigatórios, mas pode sempre partir desses locais para uma descoberta mais sensorial e intuitiva do que seguindo um trajeto fixo no mapa.

Cada vez gosto mais deste tipo de viagem. Além de ser menos exigente, cria menos expectativas e consequentemente menos frustrações. Telemóvel ou máquina em punho e apenas a cidade debaixo dos pés e o reboliço da vida diante dos olhos.



Não subi à Torre Eiffel, nem entrei no Louvre, mas senti a sua monumentalidade e o peso da sua história; sentei-me no café do bairro, almocei como uma parisiense e comi batatas fritas sem consciência pesada; caminhei ao lado do rio Sena ao anoitecer e senti o vento frio tocar-me no rosto; andei de metro empurrada pela azáfama da cidade e perdi-me como qualquer turista que se preze; passei pelo rio Sena no tradicional batou mouche com direito a jantar de gala e uma preparação digna de princesa; e quando chegou o momento de partir senti que ainda havia tanto para ver, mas de coração tranquilo porque estava na hora de rever os meus príncipes. 



Quando entrei no avião o pensamento foi simples, meio em tom de ordem para mim própria: «Não volto a viajar sem eles...» Por isso, Paris, quero voltar a conhecer-te, mas com umas mãos curiosas e irrequietas no meio das minhas...

P.S.: Merci pour le voyage et pour l'invitation a Parole de Mamans et Selectour AFAT.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

As suas amigas já não conseguem ouvi-la falar sobre bebés, fraldas e gracinhas? Confirme os 10 sinais de 'alarme'


De certeza que quando começou a namorar com o seu mais-que-tudo pensou que não podia deixar de ser a pessoa que era, que não devia mudar muito as rotinas e até que as suas amigas continuariam a ser o centro do seu mundo. O que aconteceu realmente? A verdade é que quase vendeu a alma ao diabo em troca de ser feliz e só se apercebeu quando a história acabou com baba, ranho, uma caixa de gelado e um filme bem lamechas. 

O mesmo aconteceu quando foi mãe, ou não? Sempre sonhou que ia ser uma mãe moderna, só um bocadinho galinha - o suficiente para ser uma característica engraçada -, nunca colocou em hipótese frequentar fóruns e grupos de mães porque isso é coisa de quem vive obcecado com a maternidade e não tem vida própria e sempre achou que mesmo depois daquele ser pequenino nascer haveria um sem número de conversas interessantes a ter que não incluíssem horários de sono, papinhas ou mesmo cocó. 

O problema é que aquilo que prevemos ou mesmo aquilo que sonhamos acaba por ser, na maioria das vezes, o oposto do que realmente acontece e nem sequer está ao nosso alcance mudar no imediato, mas sim quando temos a capacidade de nos afastar do papel de mãe, namorada ou amiga em que nos tornámos e avaliar tudo com calma e distanciamento. 

Aqui ficam 10 sinais de 'perigo' a que devemos estar atentas para evitarmos ser aquelas mães chatas e sem assunto (que não seja bebés) que tanto criticámos no passado... (também podem encontrar este artigo nos sites dos shoppings Sonae Sierra)

1. Não consegue deixar o seu filho com ninguém, nem em lado nenhum que não seja debaixo da sua asa protetora e nem a sua mãe é capaz de cumprir a extensa lista de exigências que traçou mentalmente...

2. Deixou de ter vontade de fazer outras coisas que não incluam alimentar, mimar ou passear o bebé? Parece que nada a satisfaz realmente e que ficou desinteressada do mundo porque o mundo (pelo menos o seu) passou a ser aquele ser pequenino que só chora, come, dorme e faz chichi e cocó, mas que é mesmo maravilhoso?

3. Esqueceu-se do que falava ou do que fazia antes dele nascer e aqui inclui-se as idas ao cinema e à praia com as amigas, o cabeleireiro, a depilação e as unhas, o dar um pulo ao spa e ir beber um cocktail no bar da rua ou até o saber que as compras podem ir além da secção de bebé nas lojas e das prateleiras das fraldas, toalhitas e chuchas no supermercado;

4. O resto do mundo que não tem filhos não percebe o mágico que é ser mãe e você passa todos os minutos do dia/noite a tentar explicar-lhes as maravilhas da maternidade até à exaustão. Sim, porque isto de ser mãe exige trabalho e dedicação na demanda de ser 'perfeita';

5. E por falar de perfeição, não há outro patamar sem ser esse o que almeja alcançar em tudo o que faz. Não imagina que o seu bebé não seja o primeiro da rua a ter o primeiro dentinho; o primeiro da fila do supermercado a gatinhar; e até o primeiro da sala de espera do médico a dizer a primeira palavra sagrada: «mamã»;

6. Rotula de fúteis todos aqueles que gastam dinheiro só em viagens, roupa e maquilhagem; aqueles que investem em ginásios e cursos de enriquecimento curricular; e até os workaholic. Sim, porque isto do tempo passa a ser sagrado e essencial, mas não pode ser 'desperdiçado' com coisas que não sejam a manutenção da espécie...

7. Apesar de negar que consulta blogues sobre maternidade e garantir que não precisa de falar com outras mamãs sobre o tema, a verdade é que já tem nos favoritos todos os grupos de mães, grávidas e crianças do Facebook, comenta todos os 355 blogues que segue com o nome Ana Teresa ou Joana Silva e até já marcou ir passear o bebé com outra mamã que nem de propósito teve uma menina no mesmo dia em que você foi mãe;

8. Adia o regresso ao trabalho e começa a deixar de perceber sequer porque trabalhava antes de engravidar. Isso da carreira quase parece uma utopia ridícula de mulheres com a mania que são cosmopolitas ou independentes porque na verdade o que mais queria mesmo era seguir o exemplo da sua mãe ou avó e ficar por casa a tomar conta da prole;

9. Cólicas, leites de adaptação, introdução aos alimentos sólidos e teorias de A a Z sobre a consistência do cocó e a melhor forma de limpar o nariz são os únicos assuntos nos chats do WhatsApp, quer estejam amigas que já são mães ou não. E se há muitas queixas e reclamações fica indignada com a sua falta de sensibilidade a esta fase tão importante da sua vida;

10. Se abanou a cabeça de forma negativa a todos os pontos anteriores porque está a ler este texto em frente a uma amiga que lho recomendou, mas no fundo sente que até há coisas que são verdade, mas não quer nada admiti-lo, saiba que o ideal é mesmo sair da carapaça que criou e ver que há um mundo além bebé e além maternidade. Realmente não há nada melhor do que ser mãe, mas não precisa de o esfregar na cara de toda a gente. Há pessoas que não querem saber e mais do que isso que não têm de saber. 

Conselhos: Aproveite e deixe o bebé na sua mãe (ou sogra), vá ao cinema ou ao ginásio, beba um copo com as suas amigas, mesmo que tenha de ser um cocktail sem álcool porque está a amamentar, faça umas compras para si, mesmo que ainda não tenha voltado à sua esbelta forma física, e depois diga se não se sente mais normal, tranquila e menos obcecada com 'O' bebé.