quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Somos tudo menos super mães ou super pais; e erramos tanto


Já alguma vez se arrependeram de ter o segundo filho ou o terceiro (e até o primeiro)?

Já pensaram em deixá-lo no berço e fechar a porta só por um minuto para descansarem o cabeça e porem as ideias em ordem no 'silêncio'?

Já imaginaram gritar de desespero ou até já o fizeram com direito a umas asneiras pelo meio e uma porta a bater?

Já acharam que a vossa relação está por um fio porque simplesmente já não têm tempo sequer falar quanto mais para namorar? 

E confessem lá que só de ouvir ou dizer o termo 'namorar' dá-vos vontade de rir de sarcasmo tal o desuso em que caiu a palavra?

E sinceramente, acham que são as únicas nessa situação e que não há ninguém a passar exatamente pelo mesmo... sobretudo porque os blogues de mamãs são tão perfeitos, não é?

Pois, e até aqueles em que as mamãs dizem que andam cansadas e esgotadas e depois partilham uma foto toda produzida com os seis filhos perfeitos e o fim de semana passado pelo Algarve não parecem ajudar em nada a tirar a ideia de que somos os seres mais miseráveis do mundo...

E a ajudar à festa há aquela questão do 'compensar ter filhos' que nem sempre reduz a angústia. Parece que há momentos em que até eles acreditam que vivem numa 'casa de loucos' e em que é proibido sorrir ou dar beijinhos e abraços à mamã e ao papá.

E o que acontece à mamã e ao papá? 
Desesperam... tentam fugir de casa com desculpas esfarrapadas, tentam ir tomar um banho de meia hora em vez de um duche de cinco minutos, só para conseguirem estar sozinhos com os seus pensamentos em vez de estarem a enlouquecer com os choros e as birras... em vez de estarem entre os tachos do jantar e os biberões de leite... em vez de estarem a lavar o babygrow que veio vomitado do colégio (para não dizer pior) e a preparar a marmita para o trabalho do dia seguinte... ou mesmo a preparar as máscaras para o Halloween...

Mas tudo isto para vos dizer uma coisa: não estão sozinhos(as) e não precisam de enlouquecer ou de tentar ser perfeitos(as). Não há pessoas perfeitas, há pessoas desenrascadas que ultrapassam os obstáculos com soluções de carteira, de improviso, de momento. Há mães e pais que são humanos e que erram (e muito), mas também que aprendem com esses mesmos erros e que tentam fazer melhor. Há pais que choram de desespero, mas que depois respiram fundo e agarram os seus príncipes no colo e pensam: «ainda bem que escolheste o meu colo para te reconfortar desta constipação; ainda bem que decidiste que me querias a teu lado para mostrares que já sabes desenhar uma casa; ainda bem que decidiste correr para os meus braços hoje quando saíste da escola...»

E se me perguntarem se os nossos filhos e as birras podem ser o pior do dia de qualquer pai, digo-vos que sim, podem. Mas há uma que também vos digo com toda a certeza, eles são SEMPRE a melhor parte!»

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

#LusoFrutaPowerOn: meninas já têm planos para sábado?


Estamos a apenas dois dias da segunda edição da Luso Fruta Power On, um evento cheio de energia, desporto e alimentação saudável, que celebra a força feminina que ainda tem uma vertente solidária, sendo que metade da verba dos bilhetes será doada à Associação Laço.

A iniciativa decorre este sábado, dia 29 de outubro, no Pavilhão Municipal Casal Vistoso, em Lisboa, e conta com aulas de Kuduro e Afro House, Zumba e workshops com o personal trainer Pedro Almeida e a nutricionista Iara Rodrigues.

As embaixadoras desta edição não podiam ser melhor exemplo de energia saudável: a locutora da Comercial Catarina Miranda; a jornalista Rita Rodrigues; a radialista da MegaHits Filipa Galrão; e ainda a diretora do departamento de Desporto da Câmara de Lisboa Sónia Paixão.

Toca a seguir o exemplo e a mostrar que ser saudável não custa nada... aliás, custa um bocadinho, mas compensa tanto.

PS: Cada bilhete custa €8, dá acesso a todas as atividades e pode ser comprado neste link

terça-feira, 25 de outubro de 2016

#Estudo: quanto mais mentimos, mais fácil se vai tornando


A conclusão é de um estudo publicado esta semana pela revista Nature que explica que o hábito de mentir tem o efeito de 'bola de neve'. Ou seja, o desconforto de dizer uma mentira desaparece à medida que este comportamento se vai tornando num hábito e dá margem à criação de histórias cada vez mais irreais. 

Mas desenganem-se se acham que os mentirosos só ocultam e alteram factos graves, por exemplo, de traições matrimoniais, dopping no desporto ou fraudes fiscais. Ao que parece começam com pequenas mentirinhas, sobretudo em relação a temas que consideram interessantes, mas são menos desonestos quando sentem que podem prejudicar terceiros, além de si prórios. 

E depois das primeiras mentirinhas - quase que parece que estamos a falar de pequenos delitos -, há uma «espécie de adaptação emocional», já para não falar que as pequenas modificações da verdade podem tornar-se em mentiras importantes...

Eu diria que há muitos comerciais/vendedores demasiado habituados a algumas mentirinhas, não? [Ahahah]

sábado, 22 de outubro de 2016

#Caudalie: o passatempo mais concorrido de sempre já terminou...


Confirma-se: há por aí muitas fãs da marca francesa de cuidados de pele Caudalie. 
Prova disso é o facto deste ter sido o post de um passatempo mais visto de sempre aqui pelo blogue! 

Obrigada a todas e todos pela participação, mas infelizmente só há uma sortuda e desta vez foi a Carla Barros
Parabéns! 



A falta de tempo para os nossos babies


Tirando quando estão doentes, acho que a sensação de darmos pouca atenção aos nosso babies é possivelmente das mais angustiantes desta benção que é ser mãe e pai. Se por um lado tentamos que nada lhes falte e trabalhamos para sermos um exemplo aos seus olhos, para pagar as contas e ainda ter um 'extra' para concretizar aqueles sonhos como ir passar um fim de semana fora, levá-los ao Oceanário, à KidZania ou ao Zoo e até comprar um determinado brinquedo; por outro lado só pensamos que podemos estar a falhar numa parte essencial, que é a de estarmos com eles, dar-lhes atenção e brincar, brincar muito.

Eu nas últimas semanas tenho andado com esta preocupação. Apesar de tentar (e conseguir quase sempre) brincar com eles todos os dias, mesmo que sejam poucos minutos, a verdade é que tenho andado com algum trabalho extra - isto não incluindo o blogue e a organização da casa - e com poucas horas de descanso. 

As noites continuam a ser por turnos de duas ou três horas para o baby Pedro beber leite; o trabalho que tenho para fazer no computador tem-se prolongado pela noite dentro; e o horário de saída já não é cumprido há demasiado tempo. O resultado é sentir-me esgotada física, mas sobretudo psicologicamente, e ter menos disposição, por exemplo, para me sentar no chão a brincar com os meus príncipes. 

Também se sentem assim às vezes ou será que estou a 'dramatizar'?

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Ouvir 'O Pica do Sete' no elétrico 28 é qualquer coisa...


Aproveitando a máxima da marca que produz calçado para pessoas que estão em constante movimento, a Rockport festejou os seus 45 anos de uma maneira bem original, dentro de um elétrico, neste caso o mais emblemático de Lisboa, o 28. 

E como andar de elétrico nos faz lembrar a música 'O Pica do Sete' - pelo menos a mim -, tivemos direito a um concerto intimista, mas com uma energia contagiante. «Este sim é provavelmente o concerto mais pequeno de sempre», confidenciou com humor António Zambujo depois de assumir que foi a primeira vez que cantou num elétrico.

Entre músicas e paragens, esta foi mesmo daquelas experiências únicas na vida. Obrigada, Rockport!

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Esqueçam o multitasking


Quantas vez não pareço uma barata tonta a preparar o jantar enquanto tiro a loiça da máquina e ainda ponho a roupa a lavar? Ou então quando aproveito o momento em que estou a engomar ou a conduzir para despachar a lista de telefonemas? E aquelas vezes em que estou a pôr a mesa enquanto dou um olho no Pedro que está a brincar e ainda vou buscar o copo de água para a Leonor e de caminho levo uma fralda para o lixo? 

Chama-se multitasking e até há bem pouco tempo era quase uma qualidade intrínseca das mulheres, tida como uma característica exclusiva do sexo feminino e super habitual nas mães modernas e cosmopolitas. O problema é que parece que não é assim tão benéfica quanto se achava. 

Eu confesso que desde que fui mãe pela segunda vez senti que o multitasking se 'apoderou' de mim, das minhas rotinas, da minha vida, de cada passo que dou e até de cada vez que respiro. Parece que estou a falar de uma doença, mas a verdade é que já não consigo viver sem ser a fazer duas ou mais coisas ao mesmo tempo. Isto para não falar do cérebro que parece tentar acompanhar esta 'duplicidade'. Quase que sinto que tenho duas ou mais personalidades que trabalham ao mesmo tempo dentro da minha cabeça. Uma pensa nas tarefas da casa, enquanto outra está a planear as brincadeiras que vai ter com os miúdos, e uma terceira ainda está a preparar mentalmente os itens a abordar na reunião do trabalho...

E quando entro numa fase de multitasking mais intensa quase que pareço uma criança hiperativa que quer fazer tudo e não faz nada; que começa a desenhar porque é giro, mas que passado meio minuto se lembrou que afinal lhe apetece ver TV e de repente se calhar era melhor ir jogar à bola, não?! 

Este é um dos motivos pelo qual não funciona, o outro é porque nos deixa exaustas física e mentalmente e porque não nos permite concentrar apenas num assunto a 100% e com total dedicação.

E é aqui que entra uma nova filosofia de vida que parece ser bem mais.... slowwww. O movimento do slow living e do slow eating parece ter chegado para ficar e nos ensinar a viver cada aspeto da nossa vida de uma maneira mais intensa e mais apaixonante. 

E que tal pensarmos mais em 'Slow Down' em vez de Multi Task? 

domingo, 16 de outubro de 2016

Sinto-me bipolar em relação aos fins de semana fora...


Quando regresso de um fim de semana fora em família tenho sempre uma estranha sensação de quase arrependimento. Entre o entusiasmo de sair da rotina, o cansaço de preparar as malas, o desespero de fazer uma viagem de carro longa, a alegria de rever pessoas e/ou conhecer sítios, a azáfama de traçar o percurso - que está sempre em mutação por causa das birras ou das sestas - e a ansiedade de voltar a desfazer as malas e preparar o regresso... eu confesso que não percebo bem qual o efeito dos fins de semana fora...

E foi isso que me aconteceu neste útimo fim de semana. Tivemos a sorte de ter o novo Lexus CT 200h Urban Edition para experimentar, escolhemos um destino que já nos é familiar - Monsaraz - até porque é a terra do meu pai e partimos com o baby Pedro de sete meses e a princesa Leonor com três anos. 

A melhor parte foi mesmo conseguirmos ter tempo para brincar e passear em família, estar um tempo de sol maravilhosa e ainda por cima estarmos com um carro super confortável e tão silencioso que às vezes até eu achava que estava desligado. Fomos ao parque, almoçámos fora, o que é ótimo para quem passa a semana a cozinhar, vimos a família e matámos algumas saudades e até aproveitámos para tirar umas fotos à paisagem, que diga-se de passagem é memorável e apaixonante. 

A pior parte foi tudo o resto. A birra da Leonor porque queria dormir na cama dela, no quarto dela, na casa dela; os sonos trocados do Pedro que depois de duas horas a dormir no carro queria festa e brincadeira à meia noite de sexta-feira; o facto de não termos tapete de atividades, tenda, brinquedos e afins para manter o baby entretido a brincar e, consequentemente, ele só querer coloooo; e até o frio que faz à noite e que só dá vontade de estar por casa, sendo que a TV estava momentaneamente indisponível (btw, obrigada Junta de Freguesia e operadora de fibra local).

Acabámos por voltar para casa quase em modo 'fuga' e quase satisfeitos por estarmos longe de um verdadeiro paraíso...

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

#Forever21: fujam do Colombo dia 29 de manhã [ou não]



A abertura da Forever 21 em Portugal tem sido das notícias mais partilhadas nas últimas semanas. Não só porque é a primeira no País, mas também porque irá ser no Colombo e porque irá ocupar cerca de 1.000m2 com moda para mulher, homem e criança. 

E quando só faltava saber a data, surge mais uma novidade que vai levar algumas centenas... ou diria milhares de pessoas à inauguração. Todos os clientes que conseguirem chegar à fila da Forever 21, no dia 29 de outubro, até às 11h, vão receber um voucher de 50% de desconto em tudo o que quiserem comprar na loja. 

O único senão, a meu ver, é o voucher só poder ser usado no dia da inauguração, ou seja, além da confusão para chegar ao Colombo, para estacionar e para correr para a fila antes das 11h de dia 29 [sábado, btw], ainda se têm de preparar para o sprint final: conseguir apanhar a roupa que gosta. E claro, ainda acertar no tamanho, arranjar um cantinho para experimentar a camisola por cima da sua, e ainda ir em estilo corrida com obstáculos em direção às caixas. 

Good luck on that... 

#Caudalie: um passatempo com um efeito detox na sua pele


Já conhecem a linha antioxidante e antirugas superpoderosa da Caudalie? 

E sabiam que ela pode 'aterrar' em vossa casa na próxima semana?

Em parceria com a conceituada marca francesa Caudalie, o Marcas Avant-Garde preparou um giveaway muito especial que se destina a todas as [super] mulheres que são mães, têm uma carreira, horários apertados e menos horas de sono do que o desejável, mas que se preocupam em ter uma pele cuidada e bonita.

O Polyphenol C15 é assim a resposta perfeita para depois dos 30 anos, sobretudo porque alia os polifenóis de grainhas de uva estabilizados com a vitamina C e o efeito de preenchimento do ácido hialurónico que acaba com a oxidação. Sim, a mesma que é responsável por quatro em cada cinco rugas. 

O kit que iremos oferecer inclui o Sérum Defesa Antirrugas, o Fluído Antirrugas Protetor FPS20 e o Creme de Olhos e Lábios Antirrugas.

Parecem-me motivos suficientes para participar, não? E ainda por cima é tão simples...

1. Partilhem o passatempo numa rede social à escolha até dia 21 de outubro;

2. Coloquem um gosto nas páginas de Facebook do Marcas Avant-Garde e da Caudalie;

3. Preencham o formulário abaixo com os vossos dados pessoais;

4. E esperem até ao dia 21 para saberem se foram a vencedora do sorteio aleatório via random.

PS: Só é permitida uma participação por pessoa!


segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Parece que eu sou o alvo a abater


Entre a pessoa que eu gostava de ser e aquela que sou na verdade há um longo a caminho a percorrer. No entanto, o que é certo é que eu sou o único entrave entre a Patrícia de hoje e aquela que eu gostava mesmo de ver refletida no espelho. 

Com as duas gravidezes e a vida sedentária ficaram os quilos em excesso. Dez para ser mais precisa. Dez quilos que atormentam todos os dias. Dez quilos que tento ignorar, mas que saltam à vista cada vez que entro numa loja para comprar roupa, cada vez que encontro peças mais antigas no roupeiro ou simplesmente quando acordo e me olho ao espelho...

Bem sei que podia fazer dieta, exercício, acupunctura, tomar comprimidos, beber daqueles 'drenantes' ou até fazer tratamentos intensivos, mas o que é certo é que se eu não tiver a força necessária, nada vai adiantar. 

Primeiro tenho de convencer a Patrícia. Fazê-la acreditar que é possível mudar e recuperar a silhueta pré-Leonor e pré-Pedro. Só depois posso realmente pensar na estratégia a levar a cabo. 

Na prática, isto é um pouco como deixar de fumar: tem de ser de um dia para o outro; sem desculpas ou adiamentos; e com muita força e determinação. ~

E se eu consegui deixar o vício do cigarro, porque não hei-de conseguir fazê-lo com a comida?!

domingo, 9 de outubro de 2016

Porque as mamãs também são [e devem ser] sexys

A nova coleção de outono da women'secret já está nas lojas e, ao contrário, das coleções de roupa que ainda não apetece usar por causa do calor, esta dá para usar e em tantas e diferentes ocasiões. 


4Special Days [&Nigths]


  



Vintage Mood






Second Skin



 



Don't Feel Scared




sábado, 8 de outubro de 2016

O medo de não conseguir chegar ao colégio a tempo...


Este post é para todas as mães que têm filhos na escola ou que frequentam aulas de música, ginástica e afins e que em algum momento ficaram na dúvida se conseguiam chegar a tempo de os ir buscar...

É para aquelas mães que imaginam que o seu bebé fica sozinho no colégio ou que a sua princesa é a última na sala de prolongamento...

É para quem, em algum momento da sua vida enquanto mãe, receou que os filhos poderiam pensar que os tinha simplesmente abandonado...

É para quem já sentiu a angústia de correr contra o tempo, lutar contra o trânsito, bater no volante enquanto grita de raiva e acabar por conseguir chegar no último minuto...

É para as mães que acabaram por sentir-se as piores progenitoras do mundo e para aquelas que acabaram por ser olhadas de lado pela educadora ou pela auxiliar que ficou com o vosso filho até às 19h29...

Sim, é para vocês, aliás, é para vocês e para mim, que faço parte desse grande grupo de mães que são tudo menos perfeitas. Que têm um trabalho (às vezes até mais do que um para conseguirem pagar as contas), que têm uma casa para arrumar e organizar, que têm um marido que também exige atenção, que têm amigas que ligam a querer combinar um cinema ou um jantar, que têm até uma pessoa dentro de si (imagine-se) com necessidades um pouco egoístas aos olhos recriminadores da sociedade... 

Sim, somos um pouco imperfeitas, mas segundo o neuropsicólogo Álvaro Bilbao, com quem falei recentemente, é normal não sermos perfeitas e não há problema nenhum nisso. Aliás, os nossos filhos querem tudo menos uma mãe perfeita. Sabem o que eles querem? Brincar muito. Sentir que os pais os amam e acima de tudo que têm paciência.

A melhor forma de lidar com um atraso ao colégio - que me aconteceu na última semana - é esconder o stress, guardá-lo para mais tarde, explicar aos nossos filhos o porquê de termos chegado um pouco mais tarde, abraçá-los e levá-los para casa. Nada de lágrimas, nem gritos, nem stress, por mais que isso nos custe as unhas das mãos que acabam roídas ou a língua que acaba mordida. 

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Planos... o que é isso?!


Ainda antes da princesa Leonor nascer percebi que os planos tinham os dias contados, eram mesmo coisa do passado. 

Estava eu mentalizada de que o parto iria ser normal, quiçá com epidural - que isto de sofrer só por desporto já não está na moda -, e nada. Planos furados e lá vem ela de cesariana só para trocar as voltas aos papás.

Mas como é óbvio esta foi apenas a primeira de muitas mudanças nas nossas vidas. A partir daí percebemos que isso de preparar um fim de semana fora, um jantar com amigos em casa ou até uma simples ida à praia passou a representar toda uma logística flexivel e em constante mutação. 

Quantas vezes não tivemos férias marcadas que acabámos por adiar porque a princesa ficava doente; jantares cancelados porque estávamos demasiado cansados depois de uma noite de direta na qual a baby Leonor estava com mais vontade de brincar do que propriamente dormir; e até idas à praia que não chegaram a acontecer porque a birra ou o João Pestana aterraram antes da praia...

Então há sete meses é que a coisa descambou totalmente e planos simplesmente não há. Tirando as rotinas de acordar, levá-los ao colégio [e até aqui pode não ser possível por estarem doentes], ir buscá-los ao final do dia, dar-lhes jantar e adormece-los, o resto é improvisado.

E nos fins de semana e feriados [como o desta semana], o ideal é mesmo deixar para decidir no momento. Entre máquinas de roupa, almoço que se coloca no forno e banhos que se dão e tomam, lá acabamos por decidir dar um pulo ao parque. Às vezes os avós ligam e combinamos jantar, os amigos mandam SMS e bebemos um café rápido... outras vezes simplesmente vamos à beira-mar porque o dia e os feitios estão de feição; vamos às compras e acabamos a jantar no shopping; ou ficamos por casa numa brincadeira e moleza pegadas...

Sim, isto de planear, de antecipar e de criar uma agenda fixa acabou no dia 3 de junho de 2013 e agravou-se a 26 de fevereiro deste ano, tanto que eu acabei por deitar fora a minha agenda de papel e ficar somente com os alertas do telemóvel... 

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Ainda há notícias que mexem connosco (e não é para o bem)


Hoje li uma notícia que mexeu comigo e, infelizmente, já não há muitas que o façam, tal a frequência com que lido com notícias isentas de dignidade humana e com pessoas vazias de valores e princípios...

Segundo o artigo do JN, um grupo de quatro jovens entre os 13 e os 16 anos decidiram espancar e torturar uma outra durante quatro horas... leram bem, quatro horas a baterem-lhe e a filmarem... possivelmente para poderem mostrar às amigas e até vangloriar-se do seu 'exemplar' comportamento. 

Mas mais grave do que essa tortura... sim, há mais grave... foi o facto de terem admitido que lamentavam não a ter morto: «Ela ia morrer. Só não deu certo porque somos frouxas.»

Só me pergunto: Que mundo é este? Como é possível um ser humano fazer isto e ainda ficar triste por não ter conseguido matar outro ser humano... E, em última instância, onde estão os pais destas jovens e quais os valores que lhes incutiram?

Ler estas notícias... e ver estas imagens (não vejam o vídeo)... só me faz olhar para os meus príncipes e ter vontade de os apertar juntinho a mim para os proteger...

Felizmente a jovem conseguiu fugir quando estava na cova que as outras já tinham cavado para ser a sua sepultura... nem consigo imaginar o trauma que esta menina vai ter para o resto da vida. Às vezes era bom poder apagar memórias e esta devia ser apagada da mente dela, mas também da minha. Por vezes a ignorância é mesmo uma benção...

As artes e o artesanato escandinavos ganham asas na nova coleção da IKEA


A IKEA acaba de apresentar a SÄLLSKAP, a sua mais recente coleção inspirada na tradição das artes e do artesanato escandinavo e da ideia de grandeza das casas com espaço para tudo.

Pela descrição não é propriamente ideal para a minha casa que é cada vez mais pequena para nós os quatro, mas há alguns pormenores bem giros e confesso que adoro o tom de verde escolhido. 

A coleção inclui móveis, têxteis e utensílios de cozinha inspirados no passado, mas transportados para o presente através da promoção da sua evolução.











terça-feira, 4 de outubro de 2016

Happiness is my middle name


Finalmente já posso falar sobre o meu mais recente projeto e/ou parceria. A convite do grupo Sonae Sierra decidi fazer parte do grupo de bloggers que todos os meses partilham uma crónica sobre temas tão diferentes como as estreias de cinema, as tendências de maquilhagem ou... a vida de uma 'mom of two' que ainda por cima trabalha (dentro e fora de casa). 

O primeiro texto - '10 sinais que revelam que você é uma mãe que regressou há pouco tempo do trabalho' - já está online aqui e eu não podia estar mais feliz com esta sinergia. 

Agora resta irem ver e darem-me a vossa mais sincera opinião. Obrigada por estarem desse lado.

sábado, 1 de outubro de 2016

H&M lança coleção inspirada nos animais em vias de extinção


Este outono tem outro brilho na H&M. A marca associou-se à WWF e criou uma coleção de crianças que tem por objetivo inspirar as pessoas de todo o mundo a cuidarem melhor do nosso planeta. 

Todas as peças são produzidas à base de algodão orgânico, sendo que 10% das vendas revertem a favor da WWF e do trabalho que esta ONG desenvolve na conservação de espécies em vias de extinção. 

A linha já está disponível online no site da marca e chega às lojas já na próxima segunda-feira, dia 3 de outubro. E além do caráter ecológico e amigo do ambiente, a coleção tem peças tão giras para os nossos príncipes e princesas... Love the idea!





Adorei estes pijamas para o baby Pedro: 

Pack 2 pijamas PVP: €17,99

E este vestido para a princesa Leonor:
Vestido em tecido moletão PVP: €19,99

Shopping: Mom vs. Blogger


Ontem aproveitei um bocadinho da folga do trabalho e dos miúdos que estavam no colégio e fui fazer umas compras. Apesar da extensa lista ser sobretudo de coisas de supermercado, havia entre as prioridades comprar umas botas pretas, de cano alto, simples e confortáveis. Apesar de ainda estar imenso calor para pensar em enfiar os pés numas botas de inverno, a verdade é que gosto de aproveitar o início das coleções para não perder os modelos que gosto realmente e este ano, com estas temperaturas tropicais, até já andava atrasada. 

A tarefa até não parecia complicada, mas quando entrei na loja dei de caras com uns botins bordeaux escuros e não resisti a experimentá-los, mesmo quando sabia que a minha missão era comprar umas botas pretas, de cano alto, simples e confortáveis. E bastou calçá-las para entrar num verdadeiro dilema: os botins fashion e lindos ou as botas confortáveis e que eram mesmo aquilo que eu precisava?

A sensação que tive foi de um duelo interior entre as blogger que gosta de acompanhar minimamente as tendências, mas longe de ser uma fashionista ou uma consultora de moda, com a mom of two que gosta e precisa de calçado e roupa confortáveis e resistentes às adversidades que um dia-a-dia com duas crianças, uma casa, uma carreira, um marido e amigos oferece.

Confesso que a decisão não foi nada fácil, mas acabei por optar pelo mais confortável e consegui sair da Aerosoles apenas com as botas pretas, de cano alto, simples e confortáveis. Agora resta esperar pelo frio, mas sem pressas, claro, que eu adorooo o sol e o calor =D